Musical

Ministério da Cidadania e BrasilPrev apresentam

Billy Elliot, O Musical

Estreia 15 de Março

Fenômeno teatral raro que arrebata público e crítica por onde passa, com coreografias impressionantes, história poderosa e a inesquecível trilha sonora de Elton John, Billy Elliot já foi assistido por mais de oito milhões de pessoas em todo o mundo e ganha montagem inédita no Brasil

SOBRE A PEÇA

Billy Elliot, recordista de premiações em teatro musical, vencedor de 10 Tony Award e 5 Olivier Award, chega ao Brasil em nova superprodução assinada pelo Atelier de Cultura (A Noviça Rebelde, O Homem de La Mancha, Annie), apresentada  pela Brasilprev, uma empresa BB Seguros, com estreia no Teatro Alfa em 15 de março. Baseado no filme dos anos 2000, dirigido por Stephen Daldry, o espetáculo traz o consagrado ator Carmo Dalla Vecchia como Jack, o pai de Billy, acompanhado por 49 atores no elenco, além de 17 músicos, e mais de 80 técnicos. Billy Elliot foi licenciado para o Brasil pela MTI (Music Theatre Internacional) de Nova Iorque.

Com músicas de Elton John, o enredo gira em torno de Billy, um menino que se descobre querer ser bailarino, contra a vontade do pai. A inspiradora história de um garoto que luta para tornar realidade seu sonho, em meio ao conflito de sua família e comunidade, causado pela greve dos mineiros britânicos (1984-1985), em County Durham, no nordeste da Inglaterra. O roteiro do espetáculo foi inspirado no romance de A. J. Cronin, de 1935. A  canção The Stars Look Down, na abertura do musical, presta homenagem ao livro. O enredo é uma celebração inspiradora da jornada de um menino que troca suas luvas de boxe pelas sapatilhas de balé, em incansável busca por superar obstáculos.

Em cartaz com grande sucesso na Broadway por mais de 10 anos, um dos mais aclamados e premiados musicais da atualidade, chega ao palco do majestoso Teatro Alfa, com cinco apresentações semanais, de sexta a domingo.

Dirigido por John Stefaniuk, canadense responsável pela direção de O Rei Leão, da Disney, mundo afora, traz projeto cênico inédito que potencializa ainda mais o texto e músicas, concebidas por Lee Hall e Elton John: “É um sonho poder dirigir Billy Elliot no Brasil. A pluralidade deste país é encantadora, e faz com que a história do pequeno Billy seja ainda mais relevante”, diz o diretor.

A coreografia de Billy Elliot, mundialmente assinada por Peter Darling, e especialmente licenciada para a produção brasileira, é o coração do espetáculo. Vencedor dos prêmios Olivier Award e Tony Award de Melhor Coreografia, Peter indicou pessoalmente dois coreógrafos associados que participaram das montagem originais da Broadway e West End para a montagem brasileira: os ingleses Nikki Belsher e Barnaby Meredith. O ballet, a dança contemporânea, o sapateado e movimentos acrobáticos se fundem em movimentos expressivos de todo o elenco.

O espetáculo traz um arrojado projeto de cenografia desenvolvido especialmente para o Brasil, concebida pelo americano Michael Carnahan, responsável por grandes produções na Broadway. Diversas pontes automatizadas, de 13 metros de comprimento,  e uma parede de backstage que remete ao interior de uma mina de carvão, em boca de cena de 12 metros de altura, indicam a grandiosidade da produção.

A icônica cena do voo do Billy Elliot no número Electricity também se fará presente na montagem brasileira. O diretor de voo R.J. Scala, americano envolvido nas produções de O Rei Leão, Mary Poppins, Wicked, entre tantos outros espetáculos musicais da Broadway, virá ao Brasil para ensinar os três Billy’s a voar no sistema automatizado importado da produção original de Billy Elliot, junto à empresa Fly By Foy.

Os figurinos criados por Ligia Rocha e Marco Pacheco remetem à década de 1980 com modelagens, estamparias, sobreposições e envelhecimento artístico, com pintura de tecido feita a mão, para trazer a pobreza e decadência da comunidade mineira que batalha contra as ações do governo Thatcher.

A orquestra e direção musical é comandada pelo Maestro Daniel Rocha, responsável pela direção musical de Annie, do Atelier de Cultura. Composta por 17 músicos, as músicas de Elton John serão reproduzidas na formação original de orquestra, como realizado em Londres e em Nova Iorque. Destaca-se, ainda, o poder vocal dos números de coro e dos solistas.

O desenho de luz fica a cargo do premiado inglês Mike Robertson, vencedor do prêmio Olivier Award, entre outros tantos prêmios ao redor do mundo, um dos maiores nomes para iluminação de teatro musical da atualidade. Seu projeto é criado em conexão com a composição das músicas, do cenário e das movimentações do elenco, no texto e nas coreografias, construindo momentos emocionantes.

A versão para o português de letras de música e texto são de autoria de Mariana Elisabetsky e Victor Mühlethaler (Wicked, A Pequena Sereia, Cantando na Chuva)e revelam singular aderência à poesia original das letras de Elton John e ao texto de Lee Hall.

A produção apresenta os atores Pedro Sousa (10), Richard Marques (14) e Tiago Sousa (12) no papel título. Estreantes em suas carreiras, os atores-mirins serão responsáveis por dar vida ao icônico personagem. Ensaiando desde dezembro de 2018, os atores devem dominar as técnicas de movimento (acrobacia, ballet,  dança contemporânea e sapateado), interpretação de texto e músicas, e canto. O papel de Billy Elliot demanda na dança quatro números de sapateado, dois números de balé, e dois de dança contemporânea, além de movimentos acrobáticos. No canto, o pequeno Billy tem quatro solos e quase nunca sai de cena.

O consagrado ator Carmo Dalla Vecchia é responsável por dar vida ao papel de Jack Elliot, o pai de Billy Elliot: “Trata-se do contraponto na busca pelo sonho de Billy”, comenta o ator. “É quase que um antagonista, que faz parte da família do garoto, mas que vai se enternecendo ao longo do espetáculo”.

“Apresentar Billy Elliot no Brasil é motivo de muito orgulho para a Brasilprev, que tem como diretriz apoiar projetos culturais e esportivos voltados ao entretenimento de toda a família. O enredo traz um personagem com uma trajetória que vai do sonho à superação, atitude que nos inspira a enfrentar desafios e atingir grandes projetos”, afirma Ângela Beatriz de Assis, diretora Comercial e de Marketing da Brasilprev, empresa patrocinadora do espetáculo.

Não perca a única oportunidade de assistir no Brasil a grandiosa produção de Billy Elliot, a maior obra do teatro musical da atualidade. Uma experiência teatral tão forte e emocionante, que ficará para sempre em sua memória

 

Sobre o Atelier de Cultura

Com experiência na gestão de mais de R$ 100 milhões em patrocínio, suas últimas realizações incluem a temporada do musical Annie (2018/2019), A Noviça Rebelde (2018), O Homem de La Mancha (2013/2014, 2017 e 2018), espetáculos que garantiram mais de 15 premiações ao Atelier, realizando 951 sessões de teatro musical e atingindo mais de 500 mil espectadores. Além das produções de entretenimento ao vivo, foi responsável por implantar o primeiro curso profissional e Formação de Atores em Teatro Musical reconhecido pelo MEC do Brasil em parceria com o SESISP, tendo recebido a Medalha Arthur de Azevedo (2013) por serviços prestados a indústria do Teatro Musical. Ainda em 2019 realizará a temporada do inédito A Escola do Rock, de Andrew Lloyd Webber.

 

Sobre a Brasilprev 

Com 25 anos de atuação, a Brasilprev Seguros e Previdência S.A tem como acionistas a BB Seguros, braço de seguros, capitalização e previdência privada do Banco do Brasil, e a Principal, uma das principais instituições financeiras dos Estados Unidos. Líder do setor, a companhia encerrou novembro de 2018 com mais de R$ 250 bilhões em ativos sob gestão e uma carteira de 1,9 milhão de clientes. Especialista no negócio de previdência privada, com produtos acessíveis e serviços diferenciados, a Brasilprev conta com a rede de agências do Banco do Brasil como seu principal canal de distribuição.

Todos os anos a Brasilprev apoia diversos projetos culturais visando proporcionar às famílias brasileiras momentos de arte e diversão. Dentre algumas das ações patrocinadas pela companhia se destacam as exposições “The Art of the Brick”, “A Era dos Games” e “Frida&Eu”, bem como os musicais “A Noviça Rebelde”, “Castelo Rá-Tim Bum” e “Circo Turma da Mônica – O Primeiro Circo do Novo Mundo”.

 

Sobre a Vivo e a cultura

A Vivo acredita que o teatro vai além do espetáculo e investe na cultura como elemento de transformação. Há 14 anos, por meio do Teatro Vivo, em São Paulo e de espetáculos com circulação nacional, a empresa busca proporcionar novas experiências culturais e ampliar nossa conexão com o público. Esse compromisso com as artes cênicas valoriza tanto atores consagrados como novos artistas em espetáculos por todo país.

* O elenco deste espetáculo poderá sofrer alterações sem aviso prévio.

 

Venda de Grupos:

Evelise Almeida

E-mail: ingressos.grupos@gmail.com

Telefone: (11) 99320 – 0564

Informações

Duração: 170 minutos (com 20 minutos de intervalo)

Classificação: Livre

Acessibilidade: Motora e Visual

Ficha Técnica

Produção

Atelier de Cultura Produções Artísticas

Elenco

Billy Elliot – Richard Marques, Pedro Sousa e Tiago Fernandes

Michael – Paulo Gomes, Felipe Costa e Tavinho Canalle

Jackie – Carmo Dalla Vecchia

Tony – Beto Sargentelli

Mrs. Wilkinson – Vanessa Costa

Mãe – Sara Sarres

Avó – Iná de Carvalho

Mr. Bralthwalte – André Luiz Odin

George – Marcelo Nogueira

Big Daves – Marcelo Góes

Ensemble masculino – Afonso Monteiro, Dino Fernandes, Fabrício Negri, Fernando Marianno, Guilherme Pivetti, Gustavo Della, Lucas Cândido, Otávio Zobaran, Rodrigo Garcia, Sandro Conte, Danilo Martho e Vittor Fernando

Ensemble feminino – Carla Vazquez, Marisol Marcondes, Luciana Artusi, Vanessa Mello, Clarty Galvão, Mari Saraiva

Dance Capitan – Anelita Gallo

Alison Summers – Dudda Artese e Isabella Daneluz

Keeley Gibson – Anabê Drummond e Martha Nobel

Angela Robson – Maria Clara Mascellani e Ana Julia Santaniello

Julie Hope – Júlia Berlim e Thaís Morello

Debbie Wilkinson – Helô Aquino e Luisa Bresser

Susan Parks – Milena Blank e Gig Patta

Tracey Atkinson – Mel Hendriksen e Isa Pagnota

Sharon Percy – Laura Daguer e Giulia Mattiello

Tina Harmer – Anna Beatriz e Lia Botelho

Letras e Libreto

Lee Hall

Músicas

Elton John

Originalmente dirigido por

Stephen Daldry

Direção Geral

John Stefaniuk

Versão Brasileira

Mariana Elizabetsky

Victor Mületahler

Diretor Associado

Floriano Nogueira

Versionista

Mariana Elizabetsky

Victor Mületahaler

Direção Musical

Daniel Rocha

Assistente de Diretor Musical

Flavio Lago

Renan Achar

Coreógrafo

Peter Darling

Coreógrafos Internacionais Associados

Barnaby Meredith

Nikki Belsher

Coreógrafa Residente

Anelita Gallo

Cenógrafo

Michael Carnahan

Figurinista

Ligia Rocha

Marco Pacheco

Designer de Luz

Mike Robertson

Designer de Luz Associado

Tom Mulliner

Designer de Som

Gaston Birski

Designer de Som Associado

Alejandro Zambrano

Visagista

Cabral

Produtora de Elenco

Marcela Altberg

Produtores Associados

Cleto Baccic

Carlos A. Cavalcanti

Vinícius Munhoz

Apresentado por

Ministério da Cidadania

Brasilprev

Patrocínio

Alelo

Furnas

Vivo

Apoio

Boa Vista

Hotelaria Oficial

Radisson Paulista e Vila Olímpia

Realização

Atelier de Cultura

Governo Federal

Outros Espetáculos